terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Palavras impossíveis


Deram-me o silêncio para eu guardar dentro de mim
A vida que não se troca por palavras.
Deram-mo para eu guardar dentro de mim
As vozes que só em mim são verdadeiras.
Deram-mo para eu guardar dentro de mim
A impossível palavra da verdade.
Deram-me o silêncio como uma palavra impossível,
Nua e clara como o fulgor duma lâmina invencível,
Para eu guardar dentro de mim,
Para eu ignorar dentro de mim
A única palavra sem disfarce -
A palavra que nunca se profere.
***
(Adolfo Casais Monteiro)

4 comentários:

OceanoAzul.Sonhos disse...

O silêncio é aliado ao sofrimento, ao amor, à paixão.
É no silêncio que a nossa Alma se encontra com o "eu".
É no silêncio que interiorizamos, que meditamos...
Beijinhos, tenha um bom dia.

OA.S

Arroba disse...

Muito obrigada pela sua gentil visita! Agradeço o seu pedido e com todo o gosto dou autorização para partilhar o que escrevo. Aproveito para dizer que gosto da sua selecção de poesia. Parabéns!
Estarei disponível para o que de mim solicitar.
Abraço
Arroba

Cristiana disse...

Concordo plenamente, OceanoAzul.
É por isso mesmo que eu e o silêncio somos grandes "amigos". Entende-me como ninguém e com uma particularidade que por vezes me agrada imenso: nunca me faz perguntas nem me julga por nada.

Bom dia e obrigada pelas suas visitas.
Um beijinho :-)

Cristiana disse...

Arroba,
muito obrigada pela sua resposta, pela autorização e pela simpatia em se disponibilizar para tornar este "jardim" ainda mais bonito.

Cumprimentos.