terça-feira, 10 de novembro de 2009

Tem de haver um tempo


Tem de haver um tempo
para a vida e para a morte
tem de haver um espaço
onde concentrar
as lágrimas e o riso.
*
Um abismo
onde as árvores cresçam
em esquecimento
e claridade.
*
Uma porta rarefeita
por onde escoar
o que resta da solidão.
***
(Luís Serrano)

6 comentários:

Leilane Matos disse...

Um tempo...

Um tempo para tudo...

E nesse meio tempo é que vivemos com plenitude.

Bjs da Fadinha!

Já foi no meu blog? Quero saber o que vc achou dos rabiscos maus escritos rsrsrss Bjs!

Cristiana disse...

Olá Fadinha :-)

Estou em dívida consigo, mas irei visitar e logo lhe direi o que achar.

Obrigada, um beijinho para si também.

josé luís disse...

que bom ter luís serrano aqui, um dos poetas mais injustamente ignorados e tão pouco divulgado.
li este poema há tanto tempo que já nem sei onde nem quando...
obrigado pela recordação!
(e tenho de colmatar essa lacuna, porque acho que o esqueci nas minhas fábulas...)

Fadinha disse...

Não tenha pressa fique a vontade. bjs

Cristiana disse...

José Luís, obrigada a si, pelas visitas e pelas palavras que sempre deixa.

Luís Serrano tem poemas lindos e que valem a pena ser divulgados e/ou relembrados.

Cristiana disse...

Fadinha, sempre simpática :-)

Pressa não tenho, porque acredito que você espera pela minha visita e eu quero visitar com tempo e atenção.

Um beijinho para si :-)